Fim de semana | Barracos

(Tenison Del Rey) | (Tenison Del Rey)

Fim de semana é sexta-feira
E no final do expediente
A gente enrola
A gente reza pra acabar
Fim de semana e se Deus for brasileiro
Cinco dias foi pedreiro
Sexta-feira foi pro bar

Na sexta à noite na birita da esquina
Lá passa a vida, passa as pernas da menina
E na moleza da conversa
Não se sabe onde começa
Nem onde termina

Mas não tem nada não
Só tá começando o fim de semana
O meu descanso e a curtição

Acordo sábado e comigo acorda o sol
Acorda mãe, acorda tia
Acorda mano, acorda vó

E na bagunça do meu quarto
Na cabeça penso em praia
E a mulherada, na moçada e futebol

E vem a chuva, vem o sol e entristeço
E molha o chão, apaga o fogo e o meu desejo
Queria sábado de noite ir pro baile
E namorando, adormecer sob os seus beijos

Mas não tem nada não . . .

Tem batucada, Timbalada, cara inchada,
Meninada, parentada, feijoada pra comer
Eu tô sem grana, tô sem graça
Pendurado na praça
Amanhã vou resolver

Mas não tem nada não . . .

Barracos

Pra quem mora lá no morro
Pra quem vive nas encostas
Onde o diabo faz fogo
Pra onde Deus virou as costas
Pra quem vive na surdina
Onde a luz não ilumina
Onde a morte começa
Aonde a vida termina

Esse barraco vai cair
Eu não me canso de avisar
Ele não tem alvenaria
Não tem coluna pra apoiar
Ah, eu não quero ver o dia
Dessa zorra desabar

Pra quem vive nos escombros
Sem poesia e sem paixão
Sem mel, sem céu, sem sonho
Com o coração na mão

Pra quem tá no fim da fila
Tá num beco sem saída
Tá perdendo a graça
Tá ganhando mais ferida

Esse barraco vai cair
Eu não me canso de avisar
Ele não tem alvenaria
Não tem coluna pra apoiar
Ah, eu não quero ver o dia
Dessa zorra desabar

Ô, ô, ô, ô, ô, ô, vai desabar
Ô, ô, ô, ô, ô, ô, não dá pra viver lá